NAMORO COM MINISTRA DA SAÚDE SÍLVIA LUTUKUTA AFASTA FRANCO MUFINDA DO EXECUTIVO DE JOÃO LOURENÇO



O segundo mandato de João Lourenço, como Presidente da República, após as eleições gerais realizadas a 24 de Agosto do corrente ano, ficou marcado pela não recondução de Franco Cazembe Mufinda ao cargo de Secretário de Estado para a Saúde Pública.


Mas poucos sabem o que realmente levou o

Chefe do Estado a deixar de confiar num dos porta-vozes da extinta comissão multisectorial da Covid-19 em Angola.


Em Agosto último, num dos seus habituais comunicados, o Serviço de Investigação e Criminal anunciou, em Luanda, a detenção de cinco cidadãos nacionais que residiam na província de Cabinda, que chantageava a ministra da Saúde, Sílvia Paula Valentim Lutucuta, exigindo um valor de 50 milhões de kwanzas para a não publicação das suas imagens íntimas nas redes sociais.


O que se passou na verdade?

Segundo apuramos  junto uma fonte do SIC, a ministra da Saúde mantinha, em backstage, um caso amoroso com o então Secretário de Estado para a saúde pública.


O casal da saúde trocavam entre imagens íntimas. Na maior parte das vezes, Silvia Lutucuta enviava imagens com roupas íntimas do "namorado" Franco Mufinda, que respondia com elogios e emojis.




Fisioterapia ao domicílio com a doctora Odeth Muenho, liga agora e faça o seu agendamento, 923593879 ou 923328762


Acontece que numa das suas viagens de trabalho à província de Cabinda, o ex-Secretario de Estado para a Saúde Pública tera se descuidado do seu telemóvel e orientou um jovem funcionário afecto ao Gabinete Provincial da Saúde de Cabinda para resolver a questão.


Com o telemóvel em sua posse, o referido funcionário decidiu bisbilhotar o aparelho e ficou surpreso com as imagens íntimas que a ministra da Saúde tinha enviado ao seu antigo subordinado. 


Como a oportunidade faz o ladrão, o bisbilhoteiro encaminhou algumas imagens comprometedoras da ministra da Saúde à sua conta de whatsApp e, posteriormente partilhou com os seus amigos que, não pensaram duas vezes, em extorquir uns milhões de kwanzas a Silvia Lutucuta.


Inicialmente a vítima ( Ministra da Saúde) deduziu que fosse uma brincadeira do seu namorado Mufinda. Mais tarde, a brincadeira subiu de tom e a ministra da Saúde indagou o seu parceiro que se mostrou surpreso e negou todas acusações.


E para abafar o caso, o "casal da saúde" decidiu colaborar com os seus algozes e pagar o valor (50 milhões de kwanzas) exigido. Silvia e Mufinda contribuíram cada 25 milhões de kwanzas e orientaram um terceiro a efectuar a transferência bancária milionária na conta indicada pelos chantagistas.


Tendo em conta as novas políticas monetárias implementadas pelo Banco Nacional de Angola, as autoridades suspeitaram da transferência e accionaram o Serviço de Investigação Criminal (SIC) para averiguar a transferência milionária.


Primeiramente, os efectivos do SIC seguiram a origem dos valores e interrogaram o proprietário da conta e, em sua defesa, revelou que estava apenas a cumprir uma orientação dos superiores ( Lutukuta e Mufinga).


O Sic accionou a Procuradoria Geral da República (PGR) e este último a Presidência. A ministra foi chamada de emergência do Palácio da Cidade Alta e interrogada por um oficial do SINSE. Durante o interrogatório, Silvia Lutucuta contou o que se passava e entregou o seu telemóvel.


As autoridades palacianas orientaram o BNA accionar o banco comercial onde a conta está domiciliada e cativou-se os valores. O SIC criou um grupo de operativos que se deslocaram à província de Cabinda para localizar e deter os cinco chantagistas.


Após a sua detenção, os jovens foram brutalmente "sovados" e trazidos a Luanda, aguardando pelo julgamento na comarca de Viana. Recentemente, Os familiares de cinco jovens detidos contactaram a PGR para obter mais informações sobre o caso, mas a resposta foi o silêncio total.


 Imparcial Press/ Lil Pasta News 




Lil Pasta News, nós não informamos, nós somos a informação 

Postar um comentário

0 Comentários