MILUCHA AINDA TEM O BRILHO DO ANTIGAMENTE: ESTÁ COMO O VINHO DO PORTO QUANTO MAIS VELHO MAIS SABOROSO



Estou entre os tantos da minha geração que conhecem  a Milucha desde os bons tempos do saudoso colonialismo português, bons sim.


Quando comparados com os tempos atuais de uma gestão do país Angola de forma  brutalmente criminosa.


Milucha foi sempre  uma mulher linda e muito atrativa, recordo-me dela tão bem  como se fosse hoje dos tempos ainda  das minhas andanças pelo bairro Cruzeiro.



Fisioterapia ao domicílio com a doctora Odeth Muenho, liga agora e faça o seu agendamento, 923593879 ou 923328762


Onde fui amigo de um dos manos do Alpega o Caminho Longo e de uma mana que namorava com o Zeca Bengo, assim como de  um Paulito o ( Mona Zanga )  que moravam por aquelas bandas.


Não é a primeira vez que escrevo sobre a Milucha, gosto de escrever sobre ela por ser uma mulher muito especial de forma positiva.


Na minha opinião pessoal quando aborda certas gestões sem nunca dobrar a sua língua para não sacrificar as suas ideias  e aquilo que  lhe corrói a alma.


Gosto dessa sua forma  de ser, como  mulher com o coração na boca, são  virtudes  que considero, admiro e valorizo bastante.


Por isso, estou aqui para enaltecer essas suas qualidades e  também para  lhe oferecer essa flor. 


Não quero exagerar dizendo que ela é uma mulher perfeita, pois essa não existe pelo menos neste planeta onde vivemos.


Mas ela sinceramente falando, se aproxima muito da perfeição e mostra que não perdeu muito daquilo que já foi na sua juventude.


Quem lhe olhasse naquele tempo raramente não respirava fundo e não  ficava com a sensação de que estava vendo uma Deusa.


Na  primeira e única vez que lhe pisquei um olho, ela sorriu e continuou com a sua caminhada.


Foi por aí em 1973 /74 se a consciência  não me trai, eu estava com o Juka que mais tarde se tornou num dos  primeiros repórter da Angop quando o MPLA entrou.


Fernando Vumby




Lil Pasta News, nós não informamos, nós somos a informação 

Postar um comentário

0 Comentários