DITADURA EM CABINDA: DOIS ACTIVISTAS POLÍTICOS CONTINUAM PRESOS ILEGALMENTE



Presidente do MIC, Eng.Carlos Vemba, fez denúncias sobre a situação dos presos políticos em Cabinda, afectos ao MIC (Movimento Independentista de Cabinda) digna-se em informar aos Órgãos de Informação e a Comunidade Internacional  e aos cabindeses no geral, por intermédio desta há existência de presos políticos em Cabinda, detidos no dia 06 de Outubro de 2021, pelos Serviços de Investigação Criminal (SIC), acompanhados pela Polícia, detiveram arbitrariamente  António Victor Tuma e Alexandre Dunge, nas suas respectivas residências por não se reverem nas políticas ocupacionistas de Angola. 


O António Tuma, teve tratamento degradante pelo SIC, que para além da tortura ficou algemado durante 10 horas numa cela imunda para persuadi-lo desbloquear o seu telefone, de realçar também que a sua residência tinha sido invadido pelas autoridades que usaram forças desnecessárias aromando a sua porta agradeamento e a retirada de uma parte de cobertura do tecto sem que esse mostrasse resistência, toda essa ação foi protagonizada as 4 horas da madrugada.




Fisioterapia ao domicílio com a doctora Odeth Muenho, liga agora e faça o seu agendamento, 923593879 ou 923328762


O MIC, paralelamente informa que o processo continua num impasse porque as autoridades de Luanda estão a pressionar o Juiz Presidente do Tribunal de Cabinda, que sente-se obrigado satisfazer o pedido do regime angolano, o juiz em causa entendeu em manter presos os detidos privando-os dos seus sagrados direitos, e violando assim tempo de prisão preventiva.


O Alexandre Dunge, tinha sido detido sem qualquer formalidade e justificação.

Mesmo depois da detenção, não lhe foi exibido nenhum mandado nem lhe foram expostas as razões da privação da liberdade a que está sujeita e ilegalmente;


Por não aceitar ser submetido a interrogatório sem advogado da sua escolha, o detido não foi submetido interrogado preliminar nem foi formal e oficiosamente constituído arguido (em violação dos artigos 64, n°1, alínea C), e n°s 2 e 3; 67°, 71°, 250°, 251° e 254° do CCPA).

Desde então, no dia 6 de abril completarão 6 meses na prisão e, entretanto, não se registou nenhuma evolução significativa (e menos ainda, positiva) na sua situação e ele encontra-se gravemente doente há três semanas, pois não consegue levantar-se nem sentar até ao momento o Estabelecimento Penitenciário da Cadeia Civil recusa em dar-lhe assistência médica, importa realçar que ele contraiu um infeção está fazendo que esse defecasse sangue, que vai deixando-o debilitado e as condições da cadeia são inóspitas.


Movimento Independentista de Cabinda (MIC), apela  à mais influente organização político-diplomática internacional (ONU) que detém em suas mãos o poder de resolver os mais gravosos conflitos à escala mundial e de manter a Paz e a Segurança Internacionais, a não sonegar a verdade e a justiça no que tange a Questão de Cabinda para se pôr o termo o actual estatuto prevalecente neste território lusófono Não-Autónomo “Cabinda”, tal como resolveu a Questão do Timor-Leste quando da ocupação da Indonésia, este deve servir o pano de fundo para resolver o problema de Cabinda, numa perspectiva mais jurídica, menos emocional, menos política, mais racional e humana, para pôr termo à guerra e a neocolonização angolana.


“Se Angola pretende ser um actor de relevo na Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral, do continente africano e em outros fóruns internacionais, como é o caso das Nações Unidas tem que mostrar respeito pela legislação internacional e se pautar pelos mais altos padrões de direitos humanos”


Angola tem que respeitar os direitos consagrados nos tratados internacionais e regionais de direitos humanos dos quais é signatário e deve libertar os prisioneiros de consciência”, acrescentou.


Reafirmamos o nosso apela aos cabindeses para não participarem nas eleições angolanas em Cabinda", por este não reflectir o desejo do nosso povo ao contrário dessa exigirmos a realização do "Referendo" de autodeterminação para resolução definitiva do problema de Cabinda. E finalmente, exigimos a libertação imediata e incondicional dos membros do MIC, António Victor Tuma e Alexandre Dunge.


Cabinda, 2 de Abril de 2022


Atenciosamente

- Eng.Carlos Manuel Vemba, presidente do MIC.




Lil Pasta News, nós não informamos, nós somos a informação 

Postar um comentário

0 Comentários