ANTIGO SECRETÁRIO DA UNITA, EM CABINDA, ESTEVÃO NETO PEDRO, BOICOTA A VISITA DE JOÃO LOURENÇO A CABINDA


Povo de Cabinda,

Hoje, pretendo ser pragmático. Em 2017, João Lourenço, depois de ter sido eleito de forma fraudulenta, prometeu que acompanharia a execução dos projectos sociais para Cabinda. Já passaram 4 anos e o seu mandato já está no fim. Essa promessa não foi cumprida. Vejam o desespero de João Lourenço: depois de o Eng. José Eduardo dos Santos lhe ter passado o poder, ao invés de organizar o seu partido e prestar a atenção nas questões sociais dos angolanos, distraiu-se e perdeu o tempo todo a perseguir aquele que lhe passou o poder e a sua respectiva família. Perseguiu, também, com toda a força o Eng. Adalberto Costa Júnior e, até, a UNITA. Quis escolher para a UNITA um presidente contra a vontade dos seus militantes. Se não fosse a pressão da Comunidade nacional e Internacional, João Lourenço teria destruido o estado democrático de Direito. É um homem ingrato, vigarista e de má fé. Agora, vai para Cabinda? Fazer o quê, Sr. Presidente? No seu governo, quantos ministros cabindas, secretários de estado, embaixadores existem? 



Fisioterapia ao domicílio com a doctora Odeth Muenho, liga agora e faça o seu agendamento, 923593879 ou 923328762


Quantos deputados Cabindas que o MPLA tem no seu círculo nacional? Agora, quer votos dos cabindas? Sr. Presidente, tire a sua cavalinha da chuva! Em Cabinda, nem pensar! Vejam só: vai para Cabinda inaugurar obrinhas que ainda não terminaram: O barco espanhol, sem estética, do Governo local, o hospital geral de Cabinda e o Terminal Marítimo de Passageiros! 


Sr. Presidente, tenha vergonha de ir inaugurar três obrinhas durante um mandato de 5 anos! Uma Província produtora de petróleo que sustenta o Orçamento Geral do Estado Angolano! Cabinda nunca passaria por essas humilhações. Sr. Presidente, diga-me: qual é o povo que se alegraria com essa tamanha injustiça? Não há obras de envergadura para se inaugurar em Cabinda. Como exemplo, um privado (CABSHIP) construiu um bonito edifício. 


Talvez, João Lourenço, fosse para lá inaugurar para engrossar as suas inaugurações. Isso é uma vergonha! No Governo da UNITA, a inauguração dessas obrinhas seria da responsabilidade de um Presidente da Câmara! Vai, mais uma vez, a Cabinda mentir, pensando que os cabindas são katangueses? Cabinda merece muito mais! Não são esses dois predinhos de cinco andares que vão fazer com que esse povo vote em si. Nem pensar! 


O Sr. nem sequer tem a postura política de ser Presidente! Em Luanda, estão a construir edifícios, maiores que esses, que chegam quase até às nuvens, construídos com o dinheiro do petróleo de Cabinda. Mas alguns Cabindas estão distraídos e estranhando coisas pequenas como esses predinhos! Sr. Presidente, esse seu combate selectivo à corrupção apenas funciona para aqueles que o Sr odeia. Dentre esses está o filho de Cabinda, Augusto da Silva Tomás. O Augusto da Silva Tomás anda preso, em Luanda, e outros andam soltos. Pensa que esse Povo anda satisfeito consigo? Como é que se sente injustiçar alguém enquanto existem outras figuras no seu governo que saquearam o país? E, hoje em dia, não é a sua família que, também, está sendo investigada por práticas de corrupção nos Estados Unidos da América? Sr. Presidente, quem protege o criminoso também é criminoso. Os melhores ladrões de Angola trabalham consigo aí na Presidência. O seu combate à corrupção é enganosa e de fachada. Liberte o Augusto da Silva Tomás e os activistas presos, ilegalmente, em Cabinda.


Caros Cabindas, esse Sr. (João Lourenço), não é sério. É ele que, em Setembro de 2002, terá dito que construir o Porto de Águas Profundas, em Cabinda, é dar a independência aos Cabindas. Sei que o meu povo nunca se esqueceu disso. Um Presidente da República não pode ter um coração duro, de rancor e de vingança. Não! Será que no velório do deputado Raúl Danda terá enviado uma nota fúnebre? Alguém que trabalhou muitos anos consigo no Parlamento?! Lanço, desde já, um apelo a todo o povo de Cabinda a fim de que não participe nas actividades do MPLA. Aos encarregados de educação: não permitam que os vossos filhos vão ao comício de João Lourenço. 


Também, visto que a sua vinda está desprovida de mensagem credível para transmitir aos Cabindas, faço apelo aos professores, enfermeiros, médicos e a todo o pessoal da Administração do Estado no sentido de não participarem no dito comício. Ele (João Lourenço) virá com desculpas da Covid e com uma proposta mentirosa de autonomia para Cabinda. O MPLA, em Cabinda, perdeu o norte e não tem militantes suficientes para encher o Estádio de Tafi. Na semana passada, uma fonte ligada ao MPLA terá-me informado que estão a obrigar os directores das escolas a apelarem os alunos para que pudessem participar na recepção de João Lourenço, no Aeroporto. Por falta de militantes e cepticismo por parte da população, agora estão a obrigar os efectivos da polícia e das Forças Armadas a comparecerem de civil no Comício e no Aeroporto. Essa estratégia é para confundir a opinião nacional que o MPLA é o povo. Vejam como é que ele (o MPLA ) abusa com os órgãos do Estado para com as questões partidárias?! O meu apelo vai, também, para a Comunidade Internacional no sentido de tomar as medidas sancionatórias necessárias e urgentes, porque o Governo Liderado por João Lourenço tem vindo a violar os direitos humanos. Manda raptar e matar activístas cívicos e políticos que pensam ao contrário ou diferente e desaloja desumanamente as populações. 


João Lourenço, quero que saiba a verdade! O povo de Cabinda não gosta de si. Portanto, em Cabinada, não se esforce, é uma zona vermelha para o MPLA. Em Cabinda, o salto de gazela não existe. Esse povo é sério! Aliás, basta ver o que lhe tinha acontecido, em 2017, quando os Cabindas aperceberam-se que o Sr. Seria o candidato à presidencia da República! Teve uma baixa muito grande jamais vista no tempo de José Eduardo dos Santos! O MPLA teve apenas dois deputados, porque o povo de Cabinda já sabia que João Lourenço é contra os cabindas. Por falta de diálogo entre o Governo Angolano e a FLEC, têm- se registado fortes ataques que estão a ceifar vidas humanas. A situação militar, em Cabinda, tende a ser tensa. Por isso, gostaria de aconselhar as nossas irmãs, que namoram com militares, a não frequentarem as unidades militares, que não são lugares para se ir passar às noites ou namorar. 


É muito perigoso, sobretudo, num território ainda em guerra. A nossa irmã, de quase 40 anos de idade, Suzana Panzo, perdeu a vida numa das Unidades Militares que a FLEC atacou. Para tal, todo o cuidado é pouco.


Luanda, 18 de Abril de 2022.


Atenciosamente,


Estevão Neto Pedro.




Lil Pasta News, nós não informamos, nós somos a informação 

Postar um comentário

0 Comentários