Juiz apodera-se de casa de Rabelais



 A nova lei que permite os juízes e procuradores angolanos de ficaram com 10% dos bens e patrimônio aprendidos pelo Serviço de Recuperação de Ativos da Procuradoria-Geral da República (PGR), está a dar azo a cerradas disputas no seio de magistrados para apropriar-se de residências confiscadas a antigos membros do regime.


Em meios da magistratura corre que um juiz de garantia terá se apoderado de uma residência no município do Talatona que as autoridades confiscaram ao antigo ministro da comunicação social, Manuel António Rabelais.




Fisioterapia ao domicílio com a doctora Odeth Muenho, liga agora e faça o seu agendamento, 923593879 ou 923328762

Ainda no Talatona, um outro Juiz de comarca Isidro Gourgel, que trabalha no gabinete do Presidente do Tribunal Supremo, apoderou-se há cerca de dois mês de uma casa pertencente ao antigo Director-Geral do INEA, Joaquim Sebastião, no condomínio Vila Mar. A casa encontrava-se lacrada e sob guarda do Cofre Nacional de Justiça (CNJ). Durante os três anos de ausência do verdadeiro proprietário, a casa foi acumulando dividas por falta de pagamento das tarifas de condomínio.


Durante as últimas semanas, os moradores do condomínio notaram que o imóvel estava ocupado decidindo cortar a água até que os proprietários regularizassem a situação. O ocupante, neste caso o Juiz Isidro Gourgel dirigiu se a uma esquadra da polícia para dar queixa que lhe foi cortada a água. Por sua vez, os moradores denunciam ao Cofre Nacional de Justiça e a PGR que o imóvel havia sido ocupado por um intruso, registrando um braço que resultou no despejo do juiz. A casa foi desocupada e segundo apurações terão colocado guardas para evitar que outros juízes voltem a ocupar.


Segundo apurou o Club-K, um outro Juiz do Tribunal Supremo, Daniel Modesto Geraldes, apoderou-se de uma outra casa no mesmo condómino Vila Mar, também pertencente a Joaquim Sebastião.



Lil Pasta News, nós não informamos, nós somos a informação 

Postar um comentário

1 Comentários

  1. É a continuação da inversão do papel da Justiça e do Poder Judicial em Angola. Angola já encarrilou na estrada em que África e seus Governantes já marcham a longo tempo. Nada de novo em Angola, pk infelismente é África, e muita gente se enganou e sonhou, esquecendo-se que no 27 de Maio de 1977, foram chacinados sem julgamento, milhares de jovens, que lutaram e conquistaram a independência. A verdade virá ao décima, e os pseudo heróis que afirmaram que não iriam perder tempo com julgamentos e haveriam de ditar uma sentença, ficaram multimilionários. Pode-se aldrabar e mentir, mas a verdade é como o azeite na água, virá sempre acima da água e não se mistura.

    ResponderExcluir