Isso cheira à conjura- Graça Campos



Apesar de contornos muito próximos de ficção cinematográfica – o curto trajecto, a ousadia e os imensos meios humanos e materiais putativamente implicados - o roubo das 30 toneladas de milho no Lobito não é o primeiro evento que belisca seriamente a competência e a fiabilidade das forças policiais e de inteligência do pais.

Embora justifique plenamente a sua inclusão no guinessebook angolano dos gamanços mais espectaculares, o roubo do milho foi antecedido de um outro, que, tal como agora, também deixou a opinião pública nacional e internacional de queixo para a nuca: em  Maio de 2003, em pleno luz do dia, um Boeing 727-223 foi tranquilamente roubado na placa do aeroporto internacional 4 de Fevereiro.

Com o registo N844AA, o avião, “alugado”  à TAAG pela Aerospace Sales & Leasing, estava imobilizado na placa do aeroporto há 14 meses, por avaria. Mas, no dia 25 de Maio de 2003 deixou a placa do aeroporto internacional 4 de Fevereiro pelo próprio “pé”. Na ocasião, não foi ouvido um único tiro de alarme. 



Fisioterapia ao domicílio com a doctora Odeth Muenho, liga agora e faça o seu agendamento, 923593879 ou 923328762

Dezanove anos depois do embaraçoso episódio, que colocou Angola entre os países menos seguros para a aviação comercial, o Boeing 727-223 continua desaparecido, apesar das operações de busca que as autoridades angolanas disseram ter feito em todo o mundo. 

Esparsamente, vão surgindo informações, nunca confirmadas oficialmente, de que uma aeronave com o mesmo número de registo, mas pintado com outras cores, tem cruzado os céus da Nigéria. 

Um dos principais expedientes com que o Governo do Presidente João Lourenço  contava para contrariar a tendência altista dos preços dos bens alimentar de mais amplo consumo, o milho importado da Argentina seguiu o exemplo do Boeing 727-223: foi roubado à luz do dia,  sob as barbas das autoridades que deveriam garantir a sua segurança até chegar aos armazéns do Grupo Leonor Carrinho, a entidade escolhida para gerir a Reserva Alimentar do Estado. 

Tal como aconteceu com o avião, o milho roubado também não deixou rasto.

Os cinco cidadãos a quem, precipitadamente, a Polícia atirou as suspeitas do espectacular roubo foram absolvidos pelo Ministério Público por falta de provas.

Contrariamente aos incidentes ocorridos no dia 10 de Janeiro em que, segundo o Presidente João Lourenço, o “suspeito do costume” teria deixado impressões digitais muito nítidas, no Lobito, os pneus dos camiões que transportaram o milho roubado não deixaram qualquer trilho. O que é muito estranho porque até mesmo os pneus “carecas” deixam marcas.

O espectacular e até agora inexplicado desaparecimento das 30 toneladas de milho coloca a opinião pública perante duas hipóteses, qualquer delas razoável: ou o milho não chegou ao país – e, portanto, as televisões fizeram encenações a favor do Executivo, o que já vem sendo um hábito – ou o roubo foi comandado a partir de “os últimos andares”. 

Em todo o mundo, as reservas do Estado – sejam elas alimentares, petrolíferas ou outras – são rodeadas das mais severas medidas de segurança.

Em ano de eleições e numa altura em que os preços da cesta básica já ultrapassaram, há muito, a “barreira de som”, o desaparecimento das 30 toneladas de milho tem contornos de conjura. 

Cabe – se a isso estiverem afim – aos diferentes Serviços de Inteligência descobrir se o alvo da conjura seria apenas o Presidente João Lourenço ou se ela visa todos os angolanos, indistintamente.



Lil Pasta News, nós não informamos, nós somos a informação 

Postar um comentário

1 Comentários

  1. Em Angola o Mpla de Agostinho Neto e seus companheiros, numa atitude meramente xenófoba e racista colocou os Angolanos a comer seres humanos. O que se pode esperar qdo também chacinaram milhares de jovens em o PR do Mpla António Agostinho Neto afirmou publicamente que: "Não perderemos tempo com julgamentos. Haveremos ditar uma sentença". Angola é o único país do mundo que tem um "herói", em que "o seu maior acto de coragem" foi mandar chacimar milhares de jovens que lutaram oeka Pátria Angoka", enqto ele e seus companheiros "combatiam nas chanas do leste cheia de capim seno e água. "Os verdadeiros heróis de Angola foram os combatentes da 1a. Região político militar e os da Upa/Fnla". O resto é para boi formar. "Os PRs, A. NETO E JONAS SAVIMBI E HOLDEM ROBERTO" NUNCA FORAM ELEITOS PELO POVO ANGOKANO. Eles podem pertencer como milhares de Angolanos como combatentes pela Independência de Angola. Reponha a verdade histórica. Um povo pode ser enganado algumas vezes, mas não pode ser enganado eternamente". Que implemente m "AVERDADE HISTÓRICA DA LUTA DE LIBERTAÇÃO DE ANGOKA". AMADEU NEVES (Dedé)-

    ResponderExcluir