QUEIXA ENCALHADA NA PGR/SIC HÁ 9 ANOS QUE DEVERIA INTERESSAR A TPA- JOSÉ GAMA

Em Outubro de 2012, a UNITA,  maior partido da oposição em Angola  abriu processos contras figuras do regime  implicadas nas irregularidades eleitorais daquelas que foram as terceiras eleições no país. 


A UNITA alegava  ter provas respeitante a mediação de Adão de Almeida em operações  de manipulação de cadernos eleitorais  procedidos por técnicos do ministério da segurança da China, no processo de preparação das eleições de 31 de Agosto.


A UNITA dizia - acompanhada de documentos -  que foi Adão de Almeida que, logo que terminou o processo de actualização do registo eleitoral, daquele ano,  chegou a Cabinda acompanhado por Bento Kangamba, levando os softwares com os dados do registo eleitoral depositando no Hotel HD, propriedade do general Nguto, no quarto número 101, que era o local secreto de trabalho dos especialistas Chineses.




Fisioterapia ao domicílio é na MZ Fisio. Contactos para marcação: 924170321, 998024880

A tarefa dos especialistas chineses, segundo avançou na altura a UNITA “Envolveu  um conjunto de operações interligadas, incluindo a recolha e manipulação dos cartões, a falta de segurança do FICRE, a estratificação étnica e sociológica do eleitorado por via informática; a produção de cartões para eleitores não legítimos e as manobras relativas ao voto antecipado, no país e no exterior.”


Para além de Adão de Almeida,  a UNITA   solicitou  igualmente a então  DNIC (agora SIC) para que investigasse o Presidente da CNE, Silva Neto e outras figuras chaves do processo eleitoral com realce para os  oficiais da Casa Militar, o general  Rogério da Silveira e o Coronel Anacleto Garcia Neto, que dirigiram o centro de escrutínio eleitoral.


Paralelamente,  o  “Galo Negro” avançou com  um recurso extraordinário solicitando ao Tribunal Constitucional que apreciasse  os actos inconstitucionais levados a cabo pela CNE.


A argumentação da UNITA era  de que o artigo 4.º da constituição angolana  ilegítima tomada de poder por via de eleições não transparentes e por golpes de Estado. Segundo este artigo: “1. O poder político é exercido por quem obtenha legitimidade mediante processo eleitoral livre e democraticamente exercido, nos termos da Constituição e da lei.” 


Volvidos  9  anos, e estando-se num momento de  pedidos de esclarecimentos junto a PGR, com direito a cobertura mediática -  11 minutos de antena- , e com direito ao repórter presidencial, a TPA tem aqui os dados  para poder enviar o seu batalhão de jornalistas para se  saber como estão estes processos.  


Aqui vão os dados dos técnicos chinês especialistas em manipulação de cadernos  eleitorais 


• JINMING ZHANG, técnico de informática do Ministério da Segurança Pública da China, nascido em 20 de Dezembro de 1971, portador do passaporte número G22066633;


• JUN LI, nascido em Tianjin a 30 de Junho de 1960, portador do passaporte número G39408678;


• LIANSHENG LI, nascido em Tianjin aos 8 de Setembro em 1958, portador do passaporte número G28277052;


• YIDING LIU, uma senhora, nascida em Beijing aos 18 de Maio de 1958, portadora do passaporte número G55661904, todos dos Serviços da Segurança da China.”



Lil Pasta News, nós não informamos, nós somos a informação 

Postar um comentário

0 Comentários