Pitta Grós prometeu mas… Higino Carneiro não está no país, como vai sentar-se no banco dos réus?



Depois de muita “volta e reviravolta”, assim como muita pressão da opinião pública, o procurador – geral da República, Hélder Pitta Grós, acabou por vir à público na quinta-feira (02), garantir que o processo-crime do general Higino Carneiro já foi remetido ao tribunal, para julgamento, assim como confrmou também a extradição para Angola do antigo PCA da TCUL Abel António Cosme, fugitivo da justiça angolana. 


Segundo Hélder Pitta Grós, terão sido “ultrapassados os impasses, como o levantamento das imunidades inerentes ao facto de ser deputado à Assembleia Nacional, e concluídas as investigações, o processo foi remetido ao tribunal para, nos próximos dias, ser levado a julgamento”.


Como não podia deixar de ser, a notícia causou grande impacto, levantou dúvidas e cogitações, dado a dimensão do que poderá ser o julgamento de Higino Carneiro, pelas declarações prestadas quando foi ouvido  na Direcção Nacional de Investigação e Acção Penal (DNIAP) da Procuradoria Geral da República (PGR), que,  no ponto de vista de especialistas, comprometem a imagem do regime liderado por João Manuel Gonçalves Lourenço.



Fisioterapia ao domicílio é na MZ Fisio. Contactos para marcação: 924170321, 998024880

Enquanto isso, contradizendo o pronunciamento do procurador-geral da República, fontes geralmente bem informadas revelaram que o general e deputado Higino Carneiro não se encontra no país.


De imediato levantou-se outra onda de suspeições contra o sistema de justiça angolano, acusando Hélder Pitta Grós de, mais uma vez, “gozar” com a inteligência dos angolanos e não só.


Ao que se sabe, quando foi constituido arguido e, na sequência da audição na DNIAP, Higino Carneiro foi submetido a medidas de coação, ficando sob Termo de Identidade e Residência (TIR), tendo sido confiscado o seu passaporte e proibido de ausentar-de do país.


Porém, dias depois de ter sido decretada as aludidas medidas de coação, foi noticiado que o general Higino Carneiro viajara para o exetrior, apesar de, alegadamente, “estar impedido de o fazer por imposição da PGR que, no âmbito de um processo de investigações, lhe confiscou o passaporte”.


Segundo as referidas notícias, a viagem do deputado pela Bancada Parlamentar do MPLA teve como destino a Espanha, onde vive uma filha que terá sido mãe na altura. Na citada viagem, Higino Carneiro efectuou uma escala em Dubai e não em Lisboa, como normalmente aconteceria, por aparente reflexo de uma alegada entrega à PGR angolana de uma lista de angolanos detentores de fortunas e bens patrimoniais em Portugal, elaborada pela sua congénere portuguesa, em que consta igualmente o nome do general e deputado.


Apesar das questões levantadas pela sociedade em geral, nunca a PGR explicou e/ou desmentiu a notícia, o que deu a entender que, na realidade, mesmo sob medidas de coação, Higino Carneiro tem viajado para o exetrior do país. Como pode fazê-lo se tem, alegadamente, o passaporte confiscado? Cabe às autoridades responder.


Desta feita, a garantia do procurador-geral cai por terra, porque levantam-se novamente outras questões: “como poderá ele sentar-se no banco dos réus se está ausente do país? Como e porquê se ausentou, quem devolveu o passaporte, para onde foi e quando regressa”?


É caso para dizer que gira à volta de tais processos uma série de malabarismos que apenas visam embaciar a visão da opinião pública, deixar passar o tempo, para depois tudo acabar em “águas de bacalhau”!


Pela forma como a situação se apresenta, não será de admirar se dentro de dias se ouvir dizer que também Higino Carneiro, à semelhança de tantos outros nas mesmas condições, se “ausentou” definitivamente do país, sem que as autoridades consigam explicar as razões do sumiço. Voltaremos com outros desenvolvimentos!



Jornal 24 Horas 



Lil Pasta News, nós não informamos, nós somos a informação 

Postar um comentário

0 Comentários